Avançar para o conteúdo principal

Angola-As reimpressões do Congresso, de 1885

Muito se tem escrito sobre as reimpressões de 1885, Carlos George foi um dos escritores filatélicos que escreveu. Sobre os selos coroa informa-nos que foram feitas em folhas de 28, como os originais. 
Além destas diz que tem um bloco de 4 selos de 50 réis azuis, composto de dois pares horizontais de Macau e Cabo Verde. O par superior tem as sobrecargas de Timor e Guiné. 
Trata-se certamente de uma outra emissão, onde provavelmente juntaram um cliché de cada colónia, que seriam seis, a que se juntaram mais dois, para os selos da Guiné e Timor.
Carlos George conta, ainda que tinha na sua coleção um bloco de 300 réis, do mesmo tipo que entretanto perdeu.
Sabe-se que foram  encomendadas 500 coleções, mas tudo leva a crer que existam muito mais do que 500 coleções.

João Marinho refere que as reimpressões no denteado 12 1/2 são mais raras do que as do denteado 13 1/2. 
Dos papeis onde foram impressos os selos coroa de Angola, existe um, muito especial e difícil de encontrar, papel médio de 75 mícrons muito branco e cores vivas com denteado 12 1/2. Já várias vezes vi serem vendidos estes selos como selos impressos em papel espesso de 1870, o que está errado como é evidente.
Sabemos que que estas reimpressões foram impressas num papel médio branco leitoso espesso, com o que João Marinho refere fico com a sensação que afinal os selos especiais são nada menos do que reimpressões do congresso no denteado 12 1/2!Será?
Alguns dos valores foram impressos com outro cunho que não imprimiu os selos originais, os valores de 5, 100, 200 e 300 r. foram impressos neste 2º cunho.
Fig.1-Cunhos de algumas reimpressões de Angola (1)
O selo de 5 réis tem o algarismo "5" completamente diferente do original.
Fig.1-Reimpressão de 1885, cunho II.

Os selos de 10, 50 e 200 réis por terem as cores muito parecidas com as cores dos originais, têm um pequeno traço da mesma cor do desenho por debaixo da palavra «REIS». 
Fig.2-Reimpressão de 1885
 
Fig.3-Reimpressão de 1885

Para as coroas da 2ª emissão temos na mesma situação os valores de 10 e 50 réis.
Fig.4-Reimpressão de 1885
Fig.5-Reimpressão de 1885
Para a taxa de 25 Réis existe uma fenda na reimpressão, não aparece em todos os selos.





Existem algumas provas em papel porcelana não denteadas. A inutilizar séries de reimpressões e selos originais, existem dois tamanhos de sobrecarga «PROVA»:GRANDE, de 9,0 X 2,5 mm, em caracteres do tipo romano que em geral, por empastamento de tinta parecem de tipo renascença; e pequena, de 7,75 x 1,0 mm, em caracteres de tipo romano.





Existe ainda a sobrecarga «SPECIMEN» de 13,5 x 2,5 mm, num tom esverdeado, com um ponto à esquerda de «S», mas apenas conhecemos 2 selos originais com essa sobrecarga.







Há ainda outra forma de inutilização usada nas reimpressões do Congresso Postal, que tem a forma de uma «flor» de 8 pétalas, com 3,5 mm de diâmetro, batido a preto. 



Nunca vi nenhum exemplar desta inutilização.

________________________________
Bibliografia:
(1) Lamas, Cunha (1948). Estudo das Reimpressões de Selos Portugueses. A. Molder, Lisboa. 

Comentários

MaisPopulares

Selos Postais 2015-Colónias Portuguesas, 7ª Edição, Mundifil.

Angola - Marcas postais de Quiculungo

"Quiculongoatual Conc. do Dist. de Cuanza Norte (Dec. 50/71, de 23/2/1971-B.O. 57). Por P.P. 78, de 18/5/1917 (B.O.17) foi criado o Posto militar de Calandula que passou a denominar-se Posto de Quiculungo e a pertencer, como Posto civil, a Ambaca, por Port. 1527, de 3/11/1934 (B.O.44). A pov. de Quiculungo que deu o nome ao Posto e, actualmente, ao Conc., era já muito importante, comercialmente, em 1915."(1)  "Quiculungo: Pov. comer. de 4.ª, do Posto do mesmo nome com sede em Bolongongo, conc. de Ambaca, dist. do Cuanza Norte, com. do Congo, dioc. de Luanda. C.T.T.:Estação Postal de 3ª classe, T.P. de 3ª em Bolongongo e Est. de 1ª em Camabatela com todos os serviços. Camabatela-Quiculungo. Luanda 363 Kms, Salazar 147, Carmona 160, Camabatela 60, Bolongongo 10, Lucala C. de Ferro 120."(2)
A consulta do boletim oficial de Angola revelou-nos a data do alvará n.º4- criação da estação Postal- no B.O. N.º47, de 21 de novembro de 1945.

Em janeiro de 1946, foi publicada, no B. O.…

Carimbo numérico volante n.º25 de Ambaca

Ambaca – Também conhecida como Pamba


Ambaca: Conc. com sede em Camabatela. Apeadeiro do C. de Ferro de Luanda, do Concelho de Cazengo, ao Km 276.(2)
Povoação comercial de 4ª do Posto de Lucala, concelho de Cazengo, distrito de Cuanza Norte. Servida por uma Estação Telégrafo Postal de 2ª em Lucala (1959), com enc. postais ord., à cobrança e V. P. em Salazar. (2)
Pela Ordem de Serviço nº. 202 de 12.12.1915 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 25.
O carimbo volante de Ambaca (Pamba) faz parte do 2º grupo destas marcas que começam no n.º21 e vão até ao n.º30.(1)



Estes carimbos foram inicialmente pensados para remediar imediatamente um acidente nos carimbos ou dotar uma estação que vai entrar em funcionamento. No caso de Ambaca parece-me que a primeira justificação é que é válida, pois em 7 de outubro de 1910 com o aparecimento do 8º grupo de carimbos, de acordo com a catalogação de Guedes de Magalhães (3) foi atribuído um dos carimbos a Ambaca. Esta marca só foi utilizada aproximadament…

Angola-Eng. João Burnay Caminho de Ferro de Luanda-Ambaca

"Em 31 de Outubro de 1886, iniciou-se a construção da linha do Caminho de Ferro de Loanda, sob a direcção do engenheiro João Burnay, e nela trabalavam nada memos que indivíduos de dez nacionalidades diferentes: portugueses, franceses, belgas, alemãs, ingleses, americanos, espanhois, italianos, um russo e um sueco."(1)

Falsificações dos selos tipo Coroa de Angola por François Fournier

Angola-O mapa azul escuro de 4$00, CE. 384 de 1955

Desde 1955 (1) que já era conhecido este erro e a informação da existência de  pelo menos 7 folhas completas com este erro.
No catálogo do Simões Ferreira de 1977, já estava catalogada esta variedade mas  sem qualquer cotação. 
Em 1994 o catálogo especializado da Afinsa tinha esta variedade catalogada mas sem cotação. Já em 2002, surge a cotação, pela primeira vez, de 19,95€. Decorridos mais seis anos e a cotação foi actualizada, aproximadamente, para o dobro, continua a ser um erro mal cotado tendo em conta o número reduzido de exemplares conhecidos.
No catálogo de 2011 dos Selos Postais de Angola já aparece a cotação de 200€, tanto em usado como em novo.

Na figura 2 temos um dos poucos exemplares conhecidos do mapa azul escuro usado, penso que este erro/variedade é mais raro em usado do que em novo.
No último catálogo disponível (Mundifil) de 2015 a cotação é actualizada para 210€.


No catálogo da XI Mostra Filatélica das Festas de Nossa Senhora do Monte (Sá da Bandeira) existe um aponta…

ANGOLA-Marcofilia de Maquela do Zombo

Maquela do Zombo: Vila, sede de Intendência de Fronteira; sede do concelho do Zombo, com os postos de Sede Quibocolo, Cuílo Futa, Béu e Sacandica; distrito do Congo. C.T.T.: Estação T. Postal de 1ª e rádio de 2ª, com todos os serviços. Há uma carreira semanal para a Estação do Caminho de Ferro do Lucala, a 463 Kms, ligando no Negage à carreira diária Carmona-Negage. Há carreiras aéreas regulares. (2)


Foi primitivamente Posto Militar com o nome de Bongue, criado em 13.1.1896 e em 1911 passou a sede da Circunscrição do Zombo. Em 1915 foi criada a Circunscrição civil de Maquela do Zombo. Em 1917 foi sede do Distrito do Congo, aquando do desmembramento deste Distrito e a criação do Enclave de Cabinda. Mais tarde passou a sede do Concelho do Zombo
No governo de Manuel Maria Coelho (de 18/1/1911 a 26/2/1912) “Maio/Junho -Os Zombo entram em conflito com os soldados da guarnição. Faria Leal e, depois o governador de distrito, José da Silva Cardoso, concentram as forças em Maquela do Zombo. Es…

Cabo Verde- Estação Postal de Espargos

No dia 16 de março de 1940, foi publicada no B.O. de Cabo Verde a Portaria N.º2:148 que manda abrir no sítio de «Espargos» da ilha do Sal, uma estação postal  de 1ª classe com as seguintes atribuições:
Recepção e expedição de correspondência ordinária e registada.





A vila de Espargos foi construída em 1939 para apoiar o aeroporto da ilha do Sal, com a entrada de Itália na segunda Guerra Mundial o aeroporto inaugurado em dezembro de 1939 acaba por ser encerrado em Maio de 1940. Assim a estação postal destinada a servir os utilizadores do aeroporto e o próprio aeroporto fica sem clientes o que obrigou ao seu encerramento.
Em 1941 esta estação consta da estatística postal de Cabo Verde e de seguida deixa de aparecer nas listas gerais das estações de correios, telégrafos e telefones de 1949,1958 e 1971.
Com o fim da segunda Guerra Mundial Portugal compra o aeroporto aos italianos da L.A.T.I. e faz grandes obras e faz uma verdadeira inauguração.
Aparecem, no entanto, nos anos de 1955 e 1975…

CABO VERDE-Estação Postal de S. Jorge (Ilha do Fogo)

S. Jorge(Crioulo cabo-verdiano, ALUPEC: San Jorji) é uma povoação do Concelho do Fogo, Freguesia de São Lourenço. Estação postal de 2ª classe.

A estação postal de S. Jorge abriu em janeiro de 1913, como foi indicado na obra Marcas Postales de  Cabo Verde (1). Sobre esta estação Félix Guillamón refere que não conhece qualquer marca postal desta localidade.
A figura-1 demonstra que em setembro de 1912 já existia a estação de S. Jorge, a data de abertura será uma data entre 1904 e 1912, uma vez que em 1904 não constava da lista das estações postais de Cabo Verde.
Sobre o movimento postal em (1) temos que em 1913, foram expedidos 247 objetos postais, recebidos 1051, 7 em trânsito num total de 1305 objetos postais e sem nenhuma encomenda postal. Já em 1935 foram expedidos 72 objetos, recebidos 574, 33 em trânsito num total de 689, uma grande redução.Em 1965 apenas foram expedidos 54 objetos postais, o que mostra a razão de ser quase impossível encontrar algum destes objetos expedidos.
São mai…

Angola- franquia mecânica da Navetur, tipo III, N.º128

O Grupo C.U.F. em 1974 detinha um grande número de empresas ligadas às mais variadas áreas. Uma destas áreas estava ligada à navegação, com muitas empresas, em Angola chamava-se NAVETUR – Agências de Turismo e Transportes de Angola (1971).