Avançar para o conteúdo principal

Angola-Eng. João Burnay Caminho de Ferro de Luanda-Ambaca

"Em 31 de Outubro de 1886, iniciou-se a construção da linha do Caminho de Ferro de Loanda, sob a direcção do engenheiro João Burnay, e nela trabalavam nada memos que indivíduos de dez nacionalidades diferentes: portugueses, franceses, belgas, alemãs, ingleses, americanos, espanhois, italianos, um russo e um sueco."(1)
JOÃO BAPTISTA BURNAY também conhecido como JEAN-BAPTISTE (IV)BEAUPIN BURNAY , ou ainda mais comumente conhecido como o JOÃO BURNAY a que se referia Eça de Queiroz em vários dos seus inesquecíveis escritos. (2)
Este João Burnay foi o terceiro dos treze filhos de JEAN-BAPTISTE (III) REMACLE BURNAY, que foi o primeiro membro desta família a imigrar, a partir de Inglaterra, para Portugal no princípio do século XIX.


Segue-se um texto do Dr. João Augusto Martins, que no seu livro Madeira, Cabo Verde e Guiné, (1891), inclui entre os filhos ilustres de Cabo Verde João Burnay:
“João Burnay, esse revolucionário da industria fabril, esse terror, desvanecido do sr. Colares e da fábrica de Massarelos, esse tão discutido empreiteiro da Penitenciária e do caminho-de-ferro de Ambaca, este espírito zig-zagante e mordaz, essa verve deliciosa de ‘humour’ essa personalidade acentuada, essa excentricidade irrequieta, que tem percorrido todas as gradações sociais desde as clássicas águas furtadas até ao palácio Pombalino, onde Fontes, Daupias e tantos outros exigentes se esqueciam nas delícias do ‘confortable’. João Burnay, esse benemérito da troça, inventor dos trajes com que hoje todos nós vestimos certas palavras, deformando-lhes o sentido com a mesma elegância com que o sr. Straus apura, dá cheios e esterlica disfarçando arestas nos seus comendadores infatuados; este homem que nas grandes lutas da sua vida tem conseguido ter sempre da sua banda os que riem e os que pensam, esse industrial que criou e lançou grátis à publicidade o ‘indígena’ ¬ esse papalvo malicioso; o ‘comendador central’, essa criação do Romulares; o ‘topa’, esse pesadelo eterno da rua dos Capelistas.
Esse simpático e inteligentíssimo moço, por sobre cujos lábios como que volitam a ironia e a graça; essa organização vigoríssima cuja grande alma se revela na chama ardente de uns pequenos olhos claros; louro, altivo e belo como é, … é filho de Cabo Verde”.


O director das obras era, então, João Burnay, um experimentado engenheiro em ferrovias. Era tão competente que em 31 de Outubro de 1888 foi inaugurado o percurso de 45 quilómetros entre Luanda e Funda.
O governador decretou feriado e o comércio de Luanda fechou para todos irem à Estação da Cidade Alta ver partir o comboio, puxado por uma moderna máquina Armstrong.

 
Fig.1-Postal da Estação da Cidade Alta.


Nas imagens seguintes estão dois sobrescritos timbrados do Caminho de Ferro Transafricano-Empreitada Geral. João Burnay, constructor, Loanda, enviados pelo Eng. Civil James Madison Reid para os Estados Unidos, Texas para a irmã Miss M. L. Reid. 
Fig.3-Sobrescrito enviado em 13 Novembro de 87 para os Estados Unidos, Texas (31 Dez 87) com trânsito por Lisboa (12 Dez 87), com portes de 100 reis.
  


Fig.4-Sobrescrito registado enviado em dezembro de 89 para os Estados Unidos, Texas (22 Jan 90) com trânsito por Lisboa (11 Jan 90), com portes de 250 reis (vendido no ebay).

Neste segundo sobrescrito registado, foi utilizada a marca REGISTRADA/CORREIO DE LOANDA, com o número de registo inscrito no interior da elipse menor.


Fig.5-Registo n.º5034
Fig.6-Registo n.º2287

Esta marca já tinha sido utilizada no período dos selos coroa.


E mais um sobrescrito para a mesma destinatária:


_________________________________________
(1) Castro, Eduardo G. de Albuquerque (1949). Caminho de Ferro de Moçamedes- Direcção dos serviços de Portos, caminhos de Ferro e Transportes, Empresa Gráfica de Angola, Luanda. 
(2)

Comentários

  1. Celio... Are the Angola envelopes for sale?

    Thank you,

    Ralph vesparettas@yahoo.com

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

MaisPopulares

Selos Postais 2015-Colónias Portuguesas, 7ª Edição, Mundifil.

Carimbo numérico volante n.º25 de Ambaca

Ambaca – Também conhecida como Pamba


Ambaca: Conc. com sede em Camabatela. Apeadeiro do C. de Ferro de Luanda, do Concelho de Cazengo, ao Km 276.(2)
Povoação comercial de 4ª do Posto de Lucala, concelho de Cazengo, distrito de Cuanza Norte. Servida por uma Estação Telégrafo Postal de 2ª em Lucala (1959), com enc. postais ord., à cobrança e V. P. em Salazar. (2)
Pela Ordem de Serviço nº. 202 de 12.12.1915 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 25.
O carimbo volante de Ambaca (Pamba) faz parte do 2º grupo destas marcas que começam no n.º21 e vão até ao n.º30.(1)



Estes carimbos foram inicialmente pensados para remediar imediatamente um acidente nos carimbos ou dotar uma estação que vai entrar em funcionamento. No caso de Ambaca parece-me que a primeira justificação é que é válida, pois em 7 de outubro de 1910 com o aparecimento do 8º grupo de carimbos, de acordo com a catalogação de Guedes de Magalhães (3) foi atribuído um dos carimbos a Ambaca. Esta marca só foi utilizada aproximadament…

Falsificações dos selos tipo Coroa de Angola por François Fournier

Angola-O mapa azul escuro de 4$00, CE. 384 de 1955

Desde 1955 (1) que já era conhecido este erro e a informação da existência de  pelo menos 7 folhas completas com este erro.
No catálogo do Simões Ferreira de 1977, já estava catalogada esta variedade mas  sem qualquer cotação. 
Em 1994 o catálogo especializado da Afinsa tinha esta variedade catalogada mas sem cotação. Já em 2002, surge a cotação, pela primeira vez, de 19,95€. Decorridos mais seis anos e a cotação foi actualizada, aproximadamente, para o dobro, continua a ser um erro mal cotado tendo em conta o número reduzido de exemplares conhecidos.
No catálogo de 2011 dos Selos Postais de Angola já aparece a cotação de 200€, tanto em usado como em novo.

Na figura 2 temos um dos poucos exemplares conhecidos do mapa azul escuro usado, penso que este erro/variedade é mais raro em usado do que em novo.
No último catálogo disponível (Mundifil) de 2015 a cotação é actualizada para 210€.


No catálogo da XI Mostra Filatélica das Festas de Nossa Senhora do Monte (Sá da Bandeira) existe um aponta…

Angola - Marcas postais de Quiculungo

"Quiculongoatual Conc. do Dist. de Cuanza Norte (Dec. 50/71, de 23/2/1971-B.O. 57). Por P.P. 78, de 18/5/1917 (B.O.17) foi criado o Posto militar de Calandula que passou a denominar-se Posto de Quiculungo e a pertencer, como Posto civil, a Ambaca, por Port. 1527, de 3/11/1934 (B.O.44). A pov. de Quiculungo que deu o nome ao Posto e, actualmente, ao Conc., era já muito importante, comercialmente, em 1915."(1)  "Quiculungo: Pov. comer. de 4.ª, do Posto do mesmo nome com sede em Bolongongo, conc. de Ambaca, dist. do Cuanza Norte, com. do Congo, dioc. de Luanda. C.T.T.:Estação Postal de 3ª classe, T.P. de 3ª em Bolongongo e Est. de 1ª em Camabatela com todos os serviços. Camabatela-Quiculungo. Luanda 363 Kms, Salazar 147, Carmona 160, Camabatela 60, Bolongongo 10, Lucala C. de Ferro 120."(2)
A consulta do boletim oficial de Angola revelou-nos a data do alvará n.º4- criação da estação Postal- no B.O. N.º47, de 21 de novembro de 1945.

Em janeiro de 1946, foi publicada, no B. O.…

Cabo Verde- Ribeira das Patas

Ribeira das Patas:Ilha de Santo Antão, Concelho de Paul, Freguesia de São João Baptista. Estação postal de 2ª classe (1953). (1) No livro do Félix Guillamón de 2009 o autor tem catalogada esta marca da seguinte maneira: "Nº16 - Duplo círculo 29/18mm. Data com mês e ano abreviados. Só aparece como marca de trânsito. Raridade: (RR)" (2)





Mostro de seguida uma imagem de um selo obliterado com a marca do dia da Ribeira das Patas de 25 de Maio de 1908. A data mais antiga é corrigida para o ano de 1908 (ERD - 02.12.10) e a marca deixa de ser apenas de trânsito.

Existe, ainda,  outra marca de dia da Ribeira das Patas mais recente, não catalogada, e usada como marca de trânsito.

Imagem de um sobrescrito vendido num leilão.
-----------------------------------------
Bibliografia:
(1) Lereno, Álvaro. Dicionário corográfico do Arquipélago de Cabo Verde, Lisboa.Agência Geral do Ultramar, 1952.
(2)Guillamón, Félix (2009).Marcas Postales de Cabo Verde-1877-1940, Málaga.

Cabo Verde- Estação Postal de Espargos

No dia 16 de março de 1940, foi publicada no B.O. de Cabo Verde a Portaria N.º2:148 que manda abrir no sítio de «Espargos» da ilha do Sal, uma estação postal  de 1ª classe com as seguintes atribuições:
Recepção e expedição de correspondência ordinária e registada.





A vila de Espargos foi construída em 1939 para apoiar o aeroporto da ilha do Sal, com a entrada de Itália na segunda Guerra Mundial o aeroporto inaugurado em dezembro de 1939 acaba por ser encerrado em Maio de 1940. Assim a estação postal destinada a servir os utilizadores do aeroporto e o próprio aeroporto fica sem clientes o que obrigou ao seu encerramento.
Em 1941 esta estação consta da estatística postal de Cabo Verde e de seguida deixa de aparecer nas listas gerais das estações de correios, telégrafos e telefones de 1949,1958 e 1971.
Com o fim da segunda Guerra Mundial Portugal compra o aeroporto aos italianos da L.A.T.I. e faz grandes obras e faz uma verdadeira inauguração.
Aparecem, no entanto, nos anos de 1955 e 1975…

Angola- Marca do 8º grupo de QUIZENGA

Em  maio de 1900, surge em Angola um novo tipo de carimbo circular datado, com esqueleto A6 e estrelas de cinco pontas a ladear a data. Este grupo de carimbos tem duas variantes, uma designada por Variante A, que tem como legenda PROVINCIA DE ANGOLA OU PROVINCIA D'ANGOLA, e outra designada por Variante B e neste caso na legenda temos CONGO PORTUGUÊS.

Variante A-Como legenda lê-se "PROVÍNCIA DE ANGOLA" (ou D'ANGOLA), com a denominação na parte inferior, entre duas estrelas de cinco pontas.
Na Variante A existem dois subtipos, que apresentam diferenças na legenda. Com legenda PROVINCIA D'ANGOLA é conhecido como variante a), e com legenda PROVINCIA DE ANGOLA é conhecido como variante b). VARIANTE a)- Representação tradicional portuguesa, com o mês em abreviatura literal, mas com o ano contendo os quatro algarismos. Circular datado, “PROVINCIA D’ANGOLA” em cima e localidade em baixo. Estrelas de cinco pontas a ladear a data. A lista seguinte não é a que consta n…

Angola- franquia mecânica da Navetur, tipo III, N.º128

O Grupo C.U.F. em 1974 detinha um grande número de empresas ligadas às mais variadas áreas. Uma destas áreas estava ligada à navegação, com muitas empresas, em Angola chamava-se NAVETUR – Agências de Turismo e Transportes de Angola (1971).