Avançar para o conteúdo principal

Macau- Coroas com sobrecarga manuscrita oblíqua (I)

4 de Dezembro de 1884. A 2ª emissão sobretaxada. (2)





"O esgotamento da estampilha de 5 réis foi acompanhado pelo esgotamento da paciência das autoridades de Macau, pelo que o Governador autoriza a 4 de Dezembro de 1884, a primeira sobretaxa local de 5,10 e 20 réis. Esta alteração não foi publicada no Boletim Oficial, vindo no entanto referida na P.P.Nº 28 de Maio de 1885." (2)Luís Frazão publicou dois grandes artigos com todos os pormenores disponíveis sobre esta e outras emissões coroa no boletim do CFP. Nestes dois artigos de História Postal de Macau não foram abordadas questões relativas aos erros e variedades resultantes da impressão desta sobrecarga.
Para examinar e colecionar os selos coroa de Macau com sobrecarga manuscrita oblíqua é como... abrir a Caixa de Pandora, como referiu John Cross (1), em 1994!
Qualquer estudo sobre estes selos deverá ter como objeto, no mínimo, metade de uma folha sob pena de desprezar muitos dos erros existentes, porque a variedade existe catalogada e não é nada pequena.
Os artigos que se seguem terão como base o artigo de John Cross, o primeiro será o estudo do artigo, de seguida a análise de vários catálogos de especialidade e finalmente o terceiro e último artigo será a conclusão/ junção dos dois primeiros artigos.
O artigo de John Cross sobre a emissão das coroas com sobrecarga manuscrita oblíqua
O estudo desta emissão por parte de John Cross é baseado no estudo publicado por Carlos George e Trincão.
Carlos George e Trincão já tinham feito um grande estudo  que estava  incompleto, como é evidente fizeram referência aos dois tipos de denteado 12 ½ e 13 ½.  Contudo não abordaram as variedades das cores dos dois selos base encontrados com estas sobrecargas (carmim, carmim rosa, verde e verde claro).
figura 2- Par com os tipos I e II (imagem do catálogo Yang)
Eles começaram por dividir esta emissão em dois tipos (I e II) e cada um com dois subtipos. A grande diferença entre os dois tipos é facilmente observada, bastando verificar se a palavra "Reis" não tem acento (Tipo I) ou se tem um acento agudo no «e» de "Réis" (Tipo II).
As sobrecargas do tipo II são aparentemente mais raras nos outros selos do que no 5r/25r, Carlos George já tinha visto sobre 10r/25r e sobre 20r/25r.
Os Subtipos do Tipo I são baseados no ângulo da sobrecarga:
a) o ângulo de 50º é o mais comum;
b) muito menos comum é o ângulo de 40º.

A classificação dada por G&T mostra precisão, mas um pouco simplista, quando se examina os selos na mão temos:
5r/25 ("e")-52-55º
   "     ("é")-50-53º
10r/25r- 50-57º
(saliente)-48-50º
("0" e "s" caídos)-40-42º
10r/50r-50-56º
20r/50r-54-58º
40r/50r-53-60º (os 60º é o "40" saliente)



Subtipos do Tipo II- são definidos pela grossura da barra que oblitera o valor antigo do selo (25 reis e 50 reis):
a) barra fina;
b) barra grossa.
Fig. 3-Imagem do artigo de J. Cross
Todos os ângulos do tipo II são de 50º. Para efeitos práticos, os subtipos da barra referem-se apenas ao selos de 5r/25r.
É aqui que as coisas começam a ficar mais complicadas do que G&T delinearam. As barras existem em 4 tipos de grossura! A mais grossa é encontrada só no tipo I, com apenas uma exceção - o «Réis» em par com «Reis». Esta barra tem aproximadamente 13 mm de comprimento e 1 mm de grossura.
A barra média não catalogada por G&T, eles consideraram como barra grossa, ou, pelos menos, como a versão do tipo II da barra grossa. É mais comum (2-3 vezes) em selos do tipo II ("é") do que nos de barra fina. A barra média é também menos comum, no tipo I ("e"). Esta barra mede 12-12,5 mm ( na proporção de 2:1) de comprimento e tem cerca de 0,7 mm de grossura.
As quatro barras finas vistas, todas em selos do tipo II ("Réis"), medem 12 mm e cerca de 0,25 mm de altura.
Para resumir o estudo das barras, com "*" a representar variedades da sobrecarga:
Reis                                Réis
        Grossa                        grossa *
       Média*                       media
                                         fina*
Fig.4- "0" e "s" descaídos
Elementos deslocados da sobrecarga formam outro conjunto interessante de variedades. G&T repararam que certos espécimes do 10r/25r (D. 12 ½) têm o "0"  do valor e o "s" de «Reis» descaídos (fig.4). O catálogo do Simões Ferreira lista o «s» deslocado em todos os valores da série exceto o 5r/25r. G&T referem-se a um «s» descaído, enquanto outros referem-se a um «s» subido.
A confusão deriva do facto que, com a possível exceção do 10r/50r, ambas as posições descaído e subido do «s» parece ocorrer em igual número nas folhas. Então qual será o erro?
Outras duas anomalias são encontradas nesta emissão que não se deve a G&T a sua descoberta. O defeito do "R partido" é encontrado na base esquerda como é mostrado na figura. É encontrado em todos os valores mas não em todas as folhas. Nessas folhas onde está presente, o "R partido" pode ser encontrado em todos os selos da segunda coluna das folhas 4 x 7 selos. 
Esta emissão apresenta, também, (algumas vezes dramaticamente) variações nas distâncias verticais entre a barra e a porção mais próxima do valor da sobrecarga (ignorando serifs, que também podem variar). Estas distâncias (em mm) encontradas em materiais na mão são as que constam na tabela seguinte:


Os erros grosseiros incluem duplas sobrecargas e sobrecargas invertidas. As sobrecargas duplas não são referidas no catálogo do Simões Ferreira (SF), mas ambos os erros aparecem no catálogo Scott e por G&T-5r/25r ("é", provavelmente com barra média e no denteado 12 ½) e 20r/50r ("e", sobrecarga com ângulo íngreme, denteado ?). 
Uma tentativa de saber que variedades de 5r/25r tem a sobrecarga invertida, de acordo com a literatura é um verdadeiro pesadelo.

Reis
denteado 12 ½, barra grossa, ângulo de 50º, rosa carmim.

Réis
denteado 12 ½, barra média, ângulo de 50º, rosa carmim
denteado 12 ½, barra média, ângulo de 40º, carmim
denteado 13 ½, barra média, ângulo de 46º,carmim
denteado 12 ½, barra fina, ângulo de 40º, carmim 
O valor 5r/25r teve pelo menos duas composições (ou mais provavelmente 3 ou 4). O 10r/25r teve pelo menos duas. o 10r/50r aparece em pelo menos duas composições. O 20r/50r teve pelo menos 3 composições, incluindo a que tem a segunda coluna com o "R" partido. O 40r/50r teve também pelo menos duas composições , uma com as mesmas características do 10r/50r para além do outro "R" partido na primeira coluna.
O quadro seguinte resume os possíveis tipos  que podem ser encontrados nesta emissão. Cores e distâncias entre o valor e a barra não estão incluídos. O número de (*) é uma indicação da relativa raridade, com um (*) é o mais comum.


____________________________________
Bibliografia:
(1)-Cross, John (1994). "Script Surcharged Macau Crowns". P-I nº114.
(2)-Frazão, Luís.As primeiras emissões sobretaxadas de Macau (1.ª parte) (Fevereiro de 1884 a Dezembro de 1885)
(3)-Frazão, Luís.Cronologia das emissões tipo “Coroa” de Macau
(4)-História e Desenvolvimento dos Correios e das Telecomunicações de Macau – Vol. II – História Postal de Macau (1884-1999), Luís Frazão, Outubro 2006

 

Comentários

MaisPopulares

Selos Postais 2015-Colónias Portuguesas, 7ª Edição, Mundifil.

Angola - Marcas postais de Quiculungo

"Quiculongoatual Conc. do Dist. de Cuanza Norte (Dec. 50/71, de 23/2/1971-B.O. 57). Por P.P. 78, de 18/5/1917 (B.O.17) foi criado o Posto militar de Calandula que passou a denominar-se Posto de Quiculungo e a pertencer, como Posto civil, a Ambaca, por Port. 1527, de 3/11/1934 (B.O.44). A pov. de Quiculungo que deu o nome ao Posto e, actualmente, ao Conc., era já muito importante, comercialmente, em 1915."(1)  "Quiculungo: Pov. comer. de 4.ª, do Posto do mesmo nome com sede em Bolongongo, conc. de Ambaca, dist. do Cuanza Norte, com. do Congo, dioc. de Luanda. C.T.T.:Estação Postal de 3ª classe, T.P. de 3ª em Bolongongo e Est. de 1ª em Camabatela com todos os serviços. Camabatela-Quiculungo. Luanda 363 Kms, Salazar 147, Carmona 160, Camabatela 60, Bolongongo 10, Lucala C. de Ferro 120."(2)
A consulta do boletim oficial de Angola revelou-nos a data do alvará n.º4- criação da estação Postal- no B.O. N.º47, de 21 de novembro de 1945.

Em janeiro de 1946, foi publicada, no B. O.…

Carimbo numérico volante n.º25 de Ambaca

Ambaca – Também conhecida como Pamba


Ambaca: Conc. com sede em Camabatela. Apeadeiro do C. de Ferro de Luanda, do Concelho de Cazengo, ao Km 276.(2)
Povoação comercial de 4ª do Posto de Lucala, concelho de Cazengo, distrito de Cuanza Norte. Servida por uma Estação Telégrafo Postal de 2ª em Lucala (1959), com enc. postais ord., à cobrança e V. P. em Salazar. (2)
Pela Ordem de Serviço nº. 202 de 12.12.1915 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 25.
O carimbo volante de Ambaca (Pamba) faz parte do 2º grupo destas marcas que começam no n.º21 e vão até ao n.º30.(1)



Estes carimbos foram inicialmente pensados para remediar imediatamente um acidente nos carimbos ou dotar uma estação que vai entrar em funcionamento. No caso de Ambaca parece-me que a primeira justificação é que é válida, pois em 7 de outubro de 1910 com o aparecimento do 8º grupo de carimbos, de acordo com a catalogação de Guedes de Magalhães (3) foi atribuído um dos carimbos a Ambaca. Esta marca só foi utilizada aproximadament…

ANGOLA-Marcofilia de Maquela do Zombo

Maquela do Zombo: Vila, sede de Intendência de Fronteira; sede do concelho do Zombo, com os postos de Sede Quibocolo, Cuílo Futa, Béu e Sacandica; distrito do Congo. C.T.T.: Estação T. Postal de 1ª e rádio de 2ª, com todos os serviços. Há uma carreira semanal para a Estação do Caminho de Ferro do Lucala, a 463 Kms, ligando no Negage à carreira diária Carmona-Negage. Há carreiras aéreas regulares. (2)


Foi primitivamente Posto Militar com o nome de Bongue, criado em 13.1.1896 e em 1911 passou a sede da Circunscrição do Zombo. Em 1915 foi criada a Circunscrição civil de Maquela do Zombo. Em 1917 foi sede do Distrito do Congo, aquando do desmembramento deste Distrito e a criação do Enclave de Cabinda. Mais tarde passou a sede do Concelho do Zombo
No governo de Manuel Maria Coelho (de 18/1/1911 a 26/2/1912) “Maio/Junho -Os Zombo entram em conflito com os soldados da guarnição. Faria Leal e, depois o governador de distrito, José da Silva Cardoso, concentram as forças em Maquela do Zombo. Es…

Angola-Eng. João Burnay Caminho de Ferro de Luanda-Ambaca

"Em 31 de Outubro de 1886, iniciou-se a construção da linha do Caminho de Ferro de Loanda, sob a direcção do engenheiro João Burnay, e nela trabalavam nada memos que indivíduos de dez nacionalidades diferentes: portugueses, franceses, belgas, alemãs, ingleses, americanos, espanhois, italianos, um russo e um sueco."(1)

Falsificações dos selos tipo Coroa de Angola por François Fournier

CABO VERDE-Estação Postal de S. Jorge (Ilha do Fogo)

S. Jorge(Crioulo cabo-verdiano, ALUPEC: San Jorji) é uma povoação do Concelho do Fogo, Freguesia de São Lourenço. Estação postal de 2ª classe.

A estação postal de S. Jorge abriu em janeiro de 1913, como foi indicado na obra Marcas Postales de  Cabo Verde (1). Sobre esta estação Félix Guillamón refere que não conhece qualquer marca postal desta localidade.
A figura-1 demonstra que em setembro de 1912 já existia a estação de S. Jorge, a data de abertura será uma data entre 1904 e 1912, uma vez que em 1904 não constava da lista das estações postais de Cabo Verde.
Sobre o movimento postal em (1) temos que em 1913, foram expedidos 247 objetos postais, recebidos 1051, 7 em trânsito num total de 1305 objetos postais e sem nenhuma encomenda postal. Já em 1935 foram expedidos 72 objetos, recebidos 574, 33 em trânsito num total de 689, uma grande redução.Em 1965 apenas foram expedidos 54 objetos postais, o que mostra a razão de ser quase impossível encontrar algum destes objetos expedidos.
São mai…

Angola-O mapa azul escuro de 4$00, CE. 384 de 1955

Desde 1955 (1) que já era conhecido este erro e a informação da existência de  pelo menos 7 folhas completas com este erro.
No catálogo do Simões Ferreira de 1977, já estava catalogada esta variedade mas  sem qualquer cotação. 
Em 1994 o catálogo especializado da Afinsa tinha esta variedade catalogada mas sem cotação. Já em 2002, surge a cotação, pela primeira vez, de 19,95€. Decorridos mais seis anos e a cotação foi actualizada, aproximadamente, para o dobro, continua a ser um erro mal cotado tendo em conta o número reduzido de exemplares conhecidos.
No catálogo de 2011 dos Selos Postais de Angola já aparece a cotação de 200€, tanto em usado como em novo.

Na figura 2 temos um dos poucos exemplares conhecidos do mapa azul escuro usado, penso que este erro/variedade é mais raro em usado do que em novo.
No último catálogo disponível (Mundifil) de 2015 a cotação é actualizada para 210€.


No catálogo da XI Mostra Filatélica das Festas de Nossa Senhora do Monte (Sá da Bandeira) existe um aponta…

Cabo Verde- Estação Postal de Espargos

No dia 16 de março de 1940, foi publicada no B.O. de Cabo Verde a Portaria N.º2:148 que manda abrir no sítio de «Espargos» da ilha do Sal, uma estação postal  de 1ª classe com as seguintes atribuições:
Recepção e expedição de correspondência ordinária e registada.





A vila de Espargos foi construída em 1939 para apoiar o aeroporto da ilha do Sal, com a entrada de Itália na segunda Guerra Mundial o aeroporto inaugurado em dezembro de 1939 acaba por ser encerrado em Maio de 1940. Assim a estação postal destinada a servir os utilizadores do aeroporto e o próprio aeroporto fica sem clientes o que obrigou ao seu encerramento.
Em 1941 esta estação consta da estatística postal de Cabo Verde e de seguida deixa de aparecer nas listas gerais das estações de correios, telégrafos e telefones de 1949,1958 e 1971.
Com o fim da segunda Guerra Mundial Portugal compra o aeroporto aos italianos da L.A.T.I. e faz grandes obras e faz uma verdadeira inauguração.
Aparecem, no entanto, nos anos de 1955 e 1975…

Angola-franquia mecânica "Cabinda Gulf Oil Company", tipo II, N.º75

O Decreto n.º41180, de 9 de julho de 1957, publicado no Diário do Governo, I série-número 154, é constituída a sociedade Cabinda Gulf Oil Company e requerem ao Ministério do Ultramar a concessão exclusiva de pesquisas e exploração de jazigos de carbonetos de hidrogénio e produtos afins no distrito de Cabinda. "As nossas actividades de exploração e de produção começaram em 1954 quando a CABGOC realizou o primeiro estudo geológico de campo. Quatro anos mais tarde, em Ponta Vermelha inaugurou-se o primeiro poço em terra. Em 1966 realizou-se a nossa primeira descoberta offshore no Campo de Malongo seguindo-se a nossa primeira extracção em 1968."
Mostramos, de seguida, uma franquia do tipo II, agora da empresa Cabinda Gulf Oil Company(CABGOC), com o título de licença N.º75 (máquina 016), sem publicidade. Até ao momento não conhecemos nenhum exemplar desta franquia com publicidade desta multinacional.

______________________________________________
(1)PEREIRA, J. Campos (1975). &…