Avançar para o conteúdo principal

Angola- 10º Grupo (Dezembro 1913)

No 10º grupo de carimbos do livro "Marcas Postais de Angola" (1) do Coronel Guedes de Magalhães (G.M.), é utilizado o esqueleto A8 hexagonal pela primeira vez.
A data é constituída pelos três habituais elementos representados em algarismos árabes, separados por traços e termina com a indicação da hora, representada por um ou dois algarismos.
O autor da obra refere que "ao fim de uns tempos, os funcionários dos C.T.T.A. acabaram por não ligarem à importância da hora, passando os seus algarismos a indicar o ano, assim por exemplo a data 14-5-19=24 passou a representar o ano de 1924 e não o ano de 1919 às 24h como é evidente."
Foram catalogados os seguintes carimbos, impressos a preto:

1. BENGUELLA
2. CABINDA
3. LOANDA
4. LOANDA
5. LUBANGO
6. MALANGE
7. MOSSAMEDES




Aparecem dois carimbos para Loanda, estando a grande diferença entre os dois no grupo datador em que o ano passou a ser representado pelos 4 algarismos e na designação da localidade que deixou de ter o «L» e o «C» de «CENTRAL» maior(capitulado) do que as restantes letras. Esta segunda marca teve um grande período de utilização, até 1947 ( selos do Império Colonial).

LOANDA (LND-I e LND-II)
Para além das diferenças já mencionadas, existem outras diferenças entre as duas marcas, nomeadamente nas dimensões do retângulo do grupo datador, tamanho das letras e na medida do lado do hexágono, que, parece-me, que no caso da segunda marca é de dimensões inferiores.



Loanda 1- LND-I

Loanda 2-LND-II

Estas marcas como não fazem parte das "chamadas importantes" não têm tido o devido estudo pelos colecionadores, entre os quais me incluo. Quis o acaso que neste dia, de preparativos para a consoada do Natal de 2013 tivesse olhado com atenção para o sobrescrito da figura 13. Então, comecei a investigar as marcas deste grupo que já tenho na minha colecção de marcofilia e algumas peças de história postal.
Neste momento, acho que posso avançar que quase todas as localidades catalogadas têm uma segunda marca. Para facilitar o estudo vou chamar tipo I às marcas que têm na data a indicação horária (localidade em letras mais altas), e tipo II às que têm o ano representado pelos quatro algarismos.
Os carimbos do tipo I são mais raros do que os do tipo II.

LUBANGO (LBGI e LBGII)
Nas imagens seguintes (fig.2, 3 e 4) vê-se a marca do LBG I, LBG II e na carta a marca LBG II.  
G.M. tem a data de 18 Fev. 1914 para o início da utilização desta marca, na fig.2 verifica-se que a marca do Lubango foi utilizada a 16-12-1913. Acho que esta será a data, conhecida, mais antiga para a marca do Lubango.
As marcas do tipo II começaram a ser utilizadas por volta de 1921/22 e com um longo período de utilização.
Fig.2-Lubango tipo I

Fig.3-Lubango tipo II

Fig.4-Sobrescrito do Lubango (19-3-1945) para Washington (Presidente Franklin Roosevelt- Casa Branca)


MALANGE (MLGI e MLGII)

Na imagem seguinte temos a marca MLGI aplicada em 1914, este carimbo tem um esqueleto de linhas retas com o grupo datador a exibir a indicação horária.
Fig.5-Sobrescrito de Malange  (2-7-14) para o Funchal,com carimbo de chegada de 9-08-14, com o porte de 5 ctvs.

Fig.5a-Malange tipo I, ebay 2014



Fig. 6- Malange tipo II
Fig.7-Malange tipo II

MOSSAMEDES (MSDI)

Esta foi a única marca que não consegui encontrar, por enquanto, a marca do tipo II. Assim que a encontre, caso exista, colocarei a respectiva imagem online.
A data do carimbo mostrado na fig.-9  (8-10-13) é a mais antiga que conheço para este grupo de marcas. Mais uma vez verificámos que a data apontada por G. Magalhães (Fev. 1914) estava errada.


Fig. 8- Mossamedes 1
Postal enviado de Mossamedes (8-10-13) para Itália com carimbo de chegada de 10-11-13, com o porte de 2 ctvs (porte para postais ilustrados simples com destino ao estrangeiro de acordo com a tabela de 09.11.1907).



CABINDA (CBDI e CBDII)


Fig. 10- Cabinda II

Fig. 9-Cabinda I














BENGUELLA (BGLI, BGLII e BGLIII)
 
Fig. 11-Benguella 1





No caso de Benguella, para além das duas marcas já referidas existe, ainda, uma terceira marca (BGL-III) pouco comum, do mesmo género mas com arabescos ao estilo da marca hexagonal de Moçambique. Esta marca aparece com datas compreendidas entre março e julho de 1914, terá sido provavelmente a primeira marca de Benguella, tendo sido mais tarde substituída pela marca do tipo I. Das três marcas esta é a única em que o nome da localidade é BENGUELA, nas outras duas marcas é BENGUELLA.

Fig.12- Benguella III-tipo IV


LOANDA- LND-III
 

Na imagem do sobrescrito da figura 13  repare-se que a mesma foi obliterada com a marca de Loanda (30-3-20=8) com o grupo datador dentro de um rectângulo de cantos rectilíneos, mas a marca aparece catalogada com o rectângulo de cantos arredondados. Os poucos exemplares que encontrei com esta marca têm datas compreendidas entre 1919 e 1920.
Fig. Marca LND III

Parece-me que é o carimbo (LND-I) com o rectângulo e o grupo datador substituído. Os algarismos deste carimbo são diferentes e mais pequenos. 
No artigo "História Postal de Angola (16) * Angola - Sobrecargas locais de 1919 e 1920, por Elder Manuel Pinto Correia" existe na "Fig. 2 – Postal ilustrado circulado de Luanda (10.01.19) para os EUA, com o porte de 3 ctvs (porte para postais ilustrados simples com destino ao estrangeiros de acordo com a tabela de 01.10.1917)" a mesma marca e utilizada no ano de 1919.

Fig. 13-Sobrescrito circulado de Luanda (30-3-20) para a Alemanha, com três selos de 15 reis -4,5 ctvs D. Carlos, um selo 1/2 ctv de D. Manuel II e selo de Taxa de Guerra de África de 0$01, usado como selo de recurso do correio ordinário.

Fig. 14-detalhe do sobrescrito

Fig. 15- Loanda tipo III

No quadro seguinte está um pequeno resumo dos vários tipos e características associadas às marcas do 10º grupo:


  
CIDADE ALTA E ESTAÇÃO NOQUI -Tipo V

No chamado grupo de Miscelânia (1918-1939), G. M. agrupa nesta categoria todos os modelos de carimbo com apenas um representante, na alínea c) aparecem dois carimbos não identificados por ele, mas que agora sabemos tratarem-se dos carimbos da Cidade Alta (o normal e o de registos). Têm esqueleto A8, o grupo datador ocupa o centro de simetria e a denominação está na parte de baixo.

fig.16-Cidade Alta (tipo V)
Fig.17- Postal enviado da Cidade Alta (17-10-18)  para Lisboa (15-11-18) com carimbo circular da CENSURA, com o porte de 1 ctv (porte para postais ilustrados simples com destino a Portugal de acordo com a tabela de 31.03.1903).


Marca de registo
 A marca de registo apresenta mais uma variedade, tem uma vírgula a separar os números da data.




Do mesmo tipo e também não catalogado aparece a marca da Estação Noqui:

Fig.18- Postal de um lote à venda no 26º leilão do CFP, circulado de Noqui (15.01.19) para a Bélgica, com selo de 130 s/ 75 reis, CE128. Carimbo batido a preto da "ESTAÇÃO NOQUI". Pagou 13 ctvs e deveria ser apenas 3 ctvs de porte de acordo com a tabela de 1.10.1917.


SILVA PORTO (BIÉ)-Tipo VI 

Finalmente, na mesma miscelânia na alínea d), aparece mais um exemplar com esqueleto A8 com legenda super-abundante SILVA PORTO (BIÉ):

Silva Porto (BIÉ) -tipo VI


Fig. 19-fragmento com selos obliterados com a marca de Silva Porto

Conclusão:

O 10º grupo passa a ter, pelo menos, 13 marcas distintas, isto é às 7 marcas catalogadas juntámos 6 novas marcas não catalogadas. Este número poderá aumentar para 14 assim que seja encontrada a segunda marca de Mossamedes (MSDII).
O quadro seguinte mostra as marcas do 10º grupo catalogadas e não catalogadas, bem como as marcas do tipo V e VI.
Em termos de raridade temos a seguinte classificação(tipos I a IV):
-as marcas do tipo II são as mais comuns;
-de seguida  as do tipo I;
-considero que as mais raras são as dos tipos III e IV.
Para as marcas dos tipos V e VI, bastará dizer que a marca do tipo VI é bastante comum, enquanto a do tipo V é rara.

Fig.20-Quadro resumo das marcas hexagonais do 10º grupo



















_________________________
Bibliografia:

(1) Magalhães, Alexandre Guedes (1986). Marcas Postais de Angola, Lisboa. Revista «FN-Filatelia-Numismática».
(2) Grando, António Coxito (1959). Dicionário Corográfico Comercial de Angola, Luanda.Edições Antonito, 4ª Edição.  



Comentários

MaisPopulares

Selos Postais 2015-Colónias Portuguesas, 7ª Edição, Mundifil.

Angola - Marcas postais de Quiculungo

"Quiculongoatual Conc. do Dist. de Cuanza Norte (Dec. 50/71, de 23/2/1971-B.O. 57). Por P.P. 78, de 18/5/1917 (B.O.17) foi criado o Posto militar de Calandula que passou a denominar-se Posto de Quiculungo e a pertencer, como Posto civil, a Ambaca, por Port. 1527, de 3/11/1934 (B.O.44). A pov. de Quiculungo que deu o nome ao Posto e, actualmente, ao Conc., era já muito importante, comercialmente, em 1915."(1)  "Quiculungo: Pov. comer. de 4.ª, do Posto do mesmo nome com sede em Bolongongo, conc. de Ambaca, dist. do Cuanza Norte, com. do Congo, dioc. de Luanda. C.T.T.:Estação Postal de 3ª classe, T.P. de 3ª em Bolongongo e Est. de 1ª em Camabatela com todos os serviços. Camabatela-Quiculungo. Luanda 363 Kms, Salazar 147, Carmona 160, Camabatela 60, Bolongongo 10, Lucala C. de Ferro 120."(2)
A consulta do boletim oficial de Angola revelou-nos a data do alvará n.º4- criação da estação Postal- no B.O. N.º47, de 21 de novembro de 1945.

Em janeiro de 1946, foi publicada, no B. O.…

Carimbo numérico volante n.º25 de Ambaca

Ambaca – Também conhecida como Pamba


Ambaca: Conc. com sede em Camabatela. Apeadeiro do C. de Ferro de Luanda, do Concelho de Cazengo, ao Km 276.(2)
Povoação comercial de 4ª do Posto de Lucala, concelho de Cazengo, distrito de Cuanza Norte. Servida por uma Estação Telégrafo Postal de 2ª em Lucala (1959), com enc. postais ord., à cobrança e V. P. em Salazar. (2)
Pela Ordem de Serviço nº. 202 de 12.12.1915 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 25.
O carimbo volante de Ambaca (Pamba) faz parte do 2º grupo destas marcas que começam no n.º21 e vão até ao n.º30.(1)



Estes carimbos foram inicialmente pensados para remediar imediatamente um acidente nos carimbos ou dotar uma estação que vai entrar em funcionamento. No caso de Ambaca parece-me que a primeira justificação é que é válida, pois em 7 de outubro de 1910 com o aparecimento do 8º grupo de carimbos, de acordo com a catalogação de Guedes de Magalhães (3) foi atribuído um dos carimbos a Ambaca. Esta marca só foi utilizada aproximadament…

ANGOLA-Marcofilia de Maquela do Zombo

Maquela do Zombo: Vila, sede de Intendência de Fronteira; sede do concelho do Zombo, com os postos de Sede Quibocolo, Cuílo Futa, Béu e Sacandica; distrito do Congo. C.T.T.: Estação T. Postal de 1ª e rádio de 2ª, com todos os serviços. Há uma carreira semanal para a Estação do Caminho de Ferro do Lucala, a 463 Kms, ligando no Negage à carreira diária Carmona-Negage. Há carreiras aéreas regulares. (2)


Foi primitivamente Posto Militar com o nome de Bongue, criado em 13.1.1896 e em 1911 passou a sede da Circunscrição do Zombo. Em 1915 foi criada a Circunscrição civil de Maquela do Zombo. Em 1917 foi sede do Distrito do Congo, aquando do desmembramento deste Distrito e a criação do Enclave de Cabinda. Mais tarde passou a sede do Concelho do Zombo
No governo de Manuel Maria Coelho (de 18/1/1911 a 26/2/1912) “Maio/Junho -Os Zombo entram em conflito com os soldados da guarnição. Faria Leal e, depois o governador de distrito, José da Silva Cardoso, concentram as forças em Maquela do Zombo. Es…

Angola-Eng. João Burnay Caminho de Ferro de Luanda-Ambaca

"Em 31 de Outubro de 1886, iniciou-se a construção da linha do Caminho de Ferro de Loanda, sob a direcção do engenheiro João Burnay, e nela trabalavam nada memos que indivíduos de dez nacionalidades diferentes: portugueses, franceses, belgas, alemãs, ingleses, americanos, espanhois, italianos, um russo e um sueco."(1)

Falsificações dos selos tipo Coroa de Angola por François Fournier

CABO VERDE-Estação Postal de S. Jorge (Ilha do Fogo)

S. Jorge(Crioulo cabo-verdiano, ALUPEC: San Jorji) é uma povoação do Concelho do Fogo, Freguesia de São Lourenço. Estação postal de 2ª classe.

A estação postal de S. Jorge abriu em janeiro de 1913, como foi indicado na obra Marcas Postales de  Cabo Verde (1). Sobre esta estação Félix Guillamón refere que não conhece qualquer marca postal desta localidade.
A figura-1 demonstra que em setembro de 1912 já existia a estação de S. Jorge, a data de abertura será uma data entre 1904 e 1912, uma vez que em 1904 não constava da lista das estações postais de Cabo Verde.
Sobre o movimento postal em (1) temos que em 1913, foram expedidos 247 objetos postais, recebidos 1051, 7 em trânsito num total de 1305 objetos postais e sem nenhuma encomenda postal. Já em 1935 foram expedidos 72 objetos, recebidos 574, 33 em trânsito num total de 689, uma grande redução.Em 1965 apenas foram expedidos 54 objetos postais, o que mostra a razão de ser quase impossível encontrar algum destes objetos expedidos.
São mai…

Angola-O mapa azul escuro de 4$00, CE. 384 de 1955

Desde 1955 (1) que já era conhecido este erro e a informação da existência de  pelo menos 7 folhas completas com este erro.
No catálogo do Simões Ferreira de 1977, já estava catalogada esta variedade mas  sem qualquer cotação. 
Em 1994 o catálogo especializado da Afinsa tinha esta variedade catalogada mas sem cotação. Já em 2002, surge a cotação, pela primeira vez, de 19,95€. Decorridos mais seis anos e a cotação foi actualizada, aproximadamente, para o dobro, continua a ser um erro mal cotado tendo em conta o número reduzido de exemplares conhecidos.
No catálogo de 2011 dos Selos Postais de Angola já aparece a cotação de 200€, tanto em usado como em novo.

Na figura 2 temos um dos poucos exemplares conhecidos do mapa azul escuro usado, penso que este erro/variedade é mais raro em usado do que em novo.
No último catálogo disponível (Mundifil) de 2015 a cotação é actualizada para 210€.


No catálogo da XI Mostra Filatélica das Festas de Nossa Senhora do Monte (Sá da Bandeira) existe um aponta…

Cabo Verde- Estação Postal de Espargos

No dia 16 de março de 1940, foi publicada no B.O. de Cabo Verde a Portaria N.º2:148 que manda abrir no sítio de «Espargos» da ilha do Sal, uma estação postal  de 1ª classe com as seguintes atribuições:
Recepção e expedição de correspondência ordinária e registada.





A vila de Espargos foi construída em 1939 para apoiar o aeroporto da ilha do Sal, com a entrada de Itália na segunda Guerra Mundial o aeroporto inaugurado em dezembro de 1939 acaba por ser encerrado em Maio de 1940. Assim a estação postal destinada a servir os utilizadores do aeroporto e o próprio aeroporto fica sem clientes o que obrigou ao seu encerramento.
Em 1941 esta estação consta da estatística postal de Cabo Verde e de seguida deixa de aparecer nas listas gerais das estações de correios, telégrafos e telefones de 1949,1958 e 1971.
Com o fim da segunda Guerra Mundial Portugal compra o aeroporto aos italianos da L.A.T.I. e faz grandes obras e faz uma verdadeira inauguração.
Aparecem, no entanto, nos anos de 1955 e 1975…

Angola-franquia mecânica "Cabinda Gulf Oil Company", tipo II, N.º75

O Decreto n.º41180, de 9 de julho de 1957, publicado no Diário do Governo, I série-número 154, é constituída a sociedade Cabinda Gulf Oil Company e requerem ao Ministério do Ultramar a concessão exclusiva de pesquisas e exploração de jazigos de carbonetos de hidrogénio e produtos afins no distrito de Cabinda. "As nossas actividades de exploração e de produção começaram em 1954 quando a CABGOC realizou o primeiro estudo geológico de campo. Quatro anos mais tarde, em Ponta Vermelha inaugurou-se o primeiro poço em terra. Em 1966 realizou-se a nossa primeira descoberta offshore no Campo de Malongo seguindo-se a nossa primeira extracção em 1968."
Mostramos, de seguida, uma franquia do tipo II, agora da empresa Cabinda Gulf Oil Company(CABGOC), com o título de licença N.º75 (máquina 016), sem publicidade. Até ao momento não conhecemos nenhum exemplar desta franquia com publicidade desta multinacional.

______________________________________________
(1)PEREIRA, J. Campos (1975). &…