Avançar para o conteúdo principal

Carimbo numérico volante n.º25 de Ambaca























Ambaca – Também conhecida como Pamba


Ambaca: Conc. com sede em Camabatela. Apeadeiro do C. de Ferro de Luanda, do Concelho de Cazengo, ao Km 276.(2)
Povoação comercial de 4ª do Posto de Lucala, concelho de Cazengo, distrito de Cuanza Norte. Servida por uma Estação Telégrafo Postal de 2ª em Lucala (1959), com enc. postais ord., à cobrança e V. P. em Salazar. (2) 
Pela Ordem de Serviço nº. 202 de 12.12.1915 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 25.
O carimbo volante de Ambaca (Pamba) faz parte do 2º grupo destas marcas que começam no n.º21 e vão até ao n.º30.(1)



Estes carimbos foram inicialmente pensados para remediar imediatamente um acidente nos carimbos ou dotar uma estação que vai entrar em funcionamento.
No caso de Ambaca parece-me que a primeira justificação é que é válida, pois em 7 de outubro de 1910 com o aparecimento do 8º grupo de carimbos, de acordo com a catalogação de Guedes de Magalhães (3) foi atribuído um dos carimbos a Ambaca. Esta marca só foi utilizada aproximadamente cinco anos, tendo acontecido provavelmente alguma coisa, o que levou à atribuição do carimbo numérico com o número 25.
Nas listas das estações de correio publicadas nos Boletins dos CTT, Ambaca aparece na lista de 1918 e já não aparece na de 1925. O encerramento da estação ocorreu entre 1918 e 1925.
Procuremos uma explicação para este facto, sabemos que foi criada uma estação postal de 1ª classe pela Portaria 123 de 11.06.1885 publicada no B.O. 885 de 15.06.1885 sendo desclassificada, mais tarde, para 3ª classe em 1902 e na lista de estações de 1904 Ambaca aparece novamente como estação postal de 1ª classe.
Na "Estatística Geral do serviço dos Correios" do ano 1915, a estação postal  está classificada, novamente, como 3ª classe.
Na imagem seguinte temos a marca parcial do correio do concelho de Ambaca, sendo esta considerada  administrativa. Só são conhecidos dois espécimes obliterados com esta marca, sendo, talvez, o primeiro carimbo a ser utlizado em Ambaca.

Marca administrativa

selo do Klaus Queisser


A primeira marca postal datada de Ambaca 

A marca seguinte é elítica e não foi catalogada por A. Guedes de Magalhães na sua obra  "Marcas Postais de Angola"(3). São conhecidos poucos exemplares, uns batidos a preto e outros a azul,  com datas de circulação entre outubro de 1884 a 1889/90. Os selos obliterados vão desde a primeira emissão dos selos tipo Coroa até à emissão de D. Luís I .



Apesar de a criação da estação postal em 1885, verifica-se que já existia uma marca do dia atribuída a Ambaca e usada em 1884 (selo da direita)!
E parece que em Julho de 83 este carimbo já estava em uso.
28 JULº 83




sobreposição das duas imagens

Na imagem ao lado houve a sobreposição das duas imagens e confirma-se que pertencem à mesma marca de Ambaca.





Por volta de 1892 surge um novo tipo de carimbo circular com o esqueleto A4 com a legenda PORTUGAL/PROV. DE ANGOLA e por debaixo da data CORR.º DE.






Só por volta de 1900 é que aparecem os carimbos octogonais do 4º grupo (1900) de esqueleto A5, e uma das denominações presenteada com uma marca octogonal é precisamente Ambaca.



A última marca conhecida de Ambaca (21-06-1911) batida a violeta é do 8º grupo (7 de novembro de 1910) de esqueleto A2, a data do lançamento do 8 ºgrupo deve estar errada, pois existe um selo obliterado com esta marca, batida a preto, de março de 1909.(3)

Imagem do site do Paulo Sequeira


Esta marca teve um período de utilização relativamente curto e foi substituída pela marca numérica 25 mostrada no início.
A existência de poucos exemplares com o carimbo volante 25 dificulta o conhecimento do número de anos em que este foi usado.


Finalmente posso afirmar que quase todas as marcas postais de Ambaca mostradas são um pouco raras, sendo a elítica do Correio de Ambaca a  que aparece com maior frequência.


Samba Cajú

Vila sede do concelho de 1ª, de Ambaca com os Postos de Quitexe, Samba Cajú, Quiculungo, Banga.
C.T.T. : Estação Telégrafo Postal de 1ª, com todos os serviços. Rádios transrecetores. Em 1959 estava planeado a construção de um novo edifício para os C.T.T..
Ambaca como divisão administrativa já vem desde de 1885 de acordo com o novo Regulamento dos Correios e Telégrafos aprovado pela Portaria n.º 298, de 11 de junho. Em 1911 criou-se a circunscrição de Samba Cajú para Camabatela, desaparecendo Ambaca, mas em 1922 voltou a chamar-se Ambaca. A sede passou depois de Samba Cajú  para Camabatela. (2)

Samba Cajú – Povoação comercial de 4ª categoria, sede do posto do mesmo nome, Distrito do Quanza. Pela Ordem de Serviço nº. 355 de 10.11.1913 foi atribuído carimbo e sinete com o nº. 11.(1)

    


 

Caculo Cabaça – Em 1917 estabeleceu-se aqui um Posto Militar sob a jurisdição de Samba Caju ( Portaria 78 de 18.05.1917 – B.O. 17 ). Em 1923 após o encerramento da estação de Samba Cajú foi criada uma Estação Postal de 3ª classe, tendo-se transferido o carimbo da estação de Samba Caju.(1)


O Apeadeiro de Ambaca (Pamba) 

A ligação Lucala-Malange (140 Kms) foi inaugurada em 1909 e foi integrada no Caminho de Ferro de Ambaca.
 Entre 1908 e 1921 nas ambulâncias do C.F.L., cada carruagem do serviço postal dispunha dum par de carimbos (I e II), sendo o número ímpar utilizado no sentido Luanda-Malanje. 
Entre 1908 e janeiro de 1913 foram utilizados os carimbos de esqueleto A3, legenda «PROVINCIA DE ANGOLA» e com a denominação «AMBA LDA AMBACA I, II»



A existência do apeadeiro ferroviário na povoação, levou a que a população local usufruisse dos direitos constantes na Portaria n.º 484 de 08.05.1913, publicada no Boletim Oficial n.º 19 de 10.05.1913 (4), que permitia a condução de cartas, através dos condutores dos comboios.


As cartas entregues aos condutores eram depois obliteradas com carimbos nominativos, no caso concreto de Ambaca foi utilizado um carimbo nominativo com a designação PAMBA com as seguintes dimensões 22 mm x 7,5 mm. (4)  
Ediçao do Centro de Informaçao e Turismo de Angola, Dr. Acácio Pereira de Matos.


Inauguração dos Caminhos de Ferro de Ambaca em 1888

Esta estação era servida pela ambulância postal ascendente (Luanda-Malange) com o seguinte horário para condução de malas:
Ascendentes 
Partidas: Dala Tando para Ambaca às 2ªs (11,57), 4ªs (12,02) e 5ªs  feiras (18,09)
Chegadas: nos mesmos dias às 13,19 e 13,24.
Partidas:Ambaca-Lucala às 2ª e 4ª feiras e
Chegadas: 2ª, 4ª e 5ª feira
Descendentes

Partidas:Lucala-Ambaca 4ª, 6ª firas e domingos
Chegadas: 4ª e 6ª feiras
Partida: Ambaca-Dala Tando 4ª e 6ª feiras
Chegadas: 4ª, 6ª feiras e domingos.

A estatística geral do serviço dos correios de Angola do ano de 1915 mostra o aumento de tráfego por estações, assim no ano de 1914 foi 13:506 e no ano de 1915 de 10:570 o que nos dá a indicação da tendência para menos.


Camabatela 
Camabatela aparece na lista das estações de correios de Angola de 1925, mas na lista de 1918 não consta. Em 14 de Julho de 1934 pela Portaria n.º1:421 do Governo de Angola, ascendeu a categoria de Vila devido ao potencial económico que se desenvolveu na região e que se baseava na produção de café, madeira, amendoim e mais tarde na pecuária.


De acordo com o livro de Marcas Postais de Angola esteve em uso na estação de Camabatela um carimbo elítico mudo em 1938.

Assim Camabatela recebeu um carimbo do 14º grupo (1938) de esqueleto A2, ornamentado por duas estrelas de cinco pontas com legenda CORREIOS E TELEGRAFOS/ANGOLA.(3)

carta vendida no ebay



Em 1947  foi substituído pelo modelo do 16º grupo, (esqueleto A2, com cruzes no ornamentos e com a legenda C.T.T. ANGOLA) que ficou ao serviço até 1974.





 ___________________________
Bibliografia: 
(1) Correia, Elder.História Postal de Angola (13) - Carimbos numéricos de duplo círculo, boletim do CFP N.º 412.
(2) Grando, António Coxito (1959). Dicionário Corográfico Comercial de Angola, Luanda.Edições Antonito, 4ª Edição. 
(3) Magalhães, Alexandre Guedes (1986). Marcas Postais de Angola, Lisboa. Revista «FN-Filatelia-Numismática».
(4) Correia, Elder. História Postal de Angola (3): Condução de cartas de estação a estação pelos condutores dos comboios" , boletim do CFP N.º 382:26-32.

Comentários

MaisPopulares

Selos Postais 2015-Colónias Portuguesas, 7ª Edição, Mundifil.

Angola - Marcas postais de Quiculungo

"Quiculongoatual Conc. do Dist. de Cuanza Norte (Dec. 50/71, de 23/2/1971-B.O. 57). Por P.P. 78, de 18/5/1917 (B.O.17) foi criado o Posto militar de Calandula que passou a denominar-se Posto de Quiculungo e a pertencer, como Posto civil, a Ambaca, por Port. 1527, de 3/11/1934 (B.O.44). A pov. de Quiculungo que deu o nome ao Posto e, actualmente, ao Conc., era já muito importante, comercialmente, em 1915."(1)  "Quiculungo: Pov. comer. de 4.ª, do Posto do mesmo nome com sede em Bolongongo, conc. de Ambaca, dist. do Cuanza Norte, com. do Congo, dioc. de Luanda. C.T.T.:Estação Postal de 3ª classe, T.P. de 3ª em Bolongongo e Est. de 1ª em Camabatela com todos os serviços. Camabatela-Quiculungo. Luanda 363 Kms, Salazar 147, Carmona 160, Camabatela 60, Bolongongo 10, Lucala C. de Ferro 120."(2)
A consulta do boletim oficial de Angola revelou-nos a data do alvará n.º4- criação da estação Postal- no B.O. N.º47, de 21 de novembro de 1945.

Em janeiro de 1946, foi publicada, no B. O.…

CABO VERDE-Estação Postal de S. Jorge (Ilha do Fogo)

S. Jorge(Crioulo cabo-verdiano, ALUPEC: San Jorji) é uma povoação do Concelho do Fogo, Freguesia de São Lourenço. Estação postal de 2ª classe.

A estação postal de S. Jorge abriu em janeiro de 1913, como foi indicado na obra Marcas Postales de  Cabo Verde (1). Sobre esta estação Félix Guillamón refere que não conhece qualquer marca postal desta localidade.
A figura-1 demonstra que em setembro de 1912 já existia a estação de S. Jorge, a data de abertura será uma data entre 1904 e 1912, uma vez que em 1904 não constava da lista das estações postais de Cabo Verde.
Sobre o movimento postal em (1) temos que em 1913, foram expedidos 247 objetos postais, recebidos 1051, 7 em trânsito num total de 1305 objetos postais e sem nenhuma encomenda postal. Já em 1935 foram expedidos 72 objetos, recebidos 574, 33 em trânsito num total de 689, uma grande redução.Em 1965 apenas foram expedidos 54 objetos postais, o que mostra a razão de ser quase impossível encontrar algum destes objetos expedidos.
São mai…

ANGOLA-Marcofilia de Maquela do Zombo

Maquela do Zombo: Vila, sede de Intendência de Fronteira; sede do concelho do Zombo, com os postos de Sede Quibocolo, Cuílo Futa, Béu e Sacandica; distrito do Congo. C.T.T.: Estação T. Postal de 1ª e rádio de 2ª, com todos os serviços. Há uma carreira semanal para a Estação do Caminho de Ferro do Lucala, a 463 Kms, ligando no Negage à carreira diária Carmona-Negage. Há carreiras aéreas regulares. (2)


Foi primitivamente Posto Militar com o nome de Bongue, criado em 13.1.1896 e em 1911 passou a sede da Circunscrição do Zombo. Em 1915 foi criada a Circunscrição civil de Maquela do Zombo. Em 1917 foi sede do Distrito do Congo, aquando do desmembramento deste Distrito e a criação do Enclave de Cabinda. Mais tarde passou a sede do Concelho do Zombo
No governo de Manuel Maria Coelho (de 18/1/1911 a 26/2/1912) “Maio/Junho -Os Zombo entram em conflito com os soldados da guarnição. Faria Leal e, depois o governador de distrito, José da Silva Cardoso, concentram as forças em Maquela do Zombo. Es…

Cabo Verde- Estação Postal de Espargos

No dia 16 de março de 1940, foi publicada no B.O. de Cabo Verde a Portaria N.º2:148 que manda abrir no sítio de «Espargos» da ilha do Sal, uma estação postal  de 1ª classe com as seguintes atribuições:
Recepção e expedição de correspondência ordinária e registada.





A vila de Espargos foi construída em 1939 para apoiar o aeroporto da ilha do Sal, com a entrada de Itália na segunda Guerra Mundial o aeroporto inaugurado em dezembro de 1939 acaba por ser encerrado em Maio de 1940. Assim a estação postal destinada a servir os utilizadores do aeroporto e o próprio aeroporto fica sem clientes o que obrigou ao seu encerramento.
Em 1941 esta estação consta da estatística postal de Cabo Verde e de seguida deixa de aparecer nas listas gerais das estações de correios, telégrafos e telefones de 1949,1958 e 1971.
Com o fim da segunda Guerra Mundial Portugal compra o aeroporto aos italianos da L.A.T.I. e faz grandes obras e faz uma verdadeira inauguração.
Aparecem, no entanto, nos anos de 1955 e 1975…

Falsificações dos selos tipo Coroa de Angola por François Fournier

Angola-O mapa azul escuro de 4$00, CE. 384 de 1955

Desde 1955 (1) que já era conhecido este erro e a informação da existência de  pelo menos 7 folhas completas com este erro.
No catálogo do Simões Ferreira de 1977, já estava catalogada esta variedade mas  sem qualquer cotação. 
Em 1994 o catálogo especializado da Afinsa tinha esta variedade catalogada mas sem cotação. Já em 2002, surge a cotação, pela primeira vez, de 19,95€. Decorridos mais seis anos e a cotação foi actualizada, aproximadamente, para o dobro, continua a ser um erro mal cotado tendo em conta o número reduzido de exemplares conhecidos.
No catálogo de 2011 dos Selos Postais de Angola já aparece a cotação de 200€, tanto em usado como em novo.

Na figura 2 temos um dos poucos exemplares conhecidos do mapa azul escuro usado, penso que este erro/variedade é mais raro em usado do que em novo.
No último catálogo disponível (Mundifil) de 2015 a cotação é actualizada para 210€.


No catálogo da XI Mostra Filatélica das Festas de Nossa Senhora do Monte (Sá da Bandeira) existe um aponta…

Angola-Eng. João Burnay Caminho de Ferro de Luanda-Ambaca

"Em 31 de Outubro de 1886, iniciou-se a construção da linha do Caminho de Ferro de Loanda, sob a direcção do engenheiro João Burnay, e nela trabalavam nada memos que indivíduos de dez nacionalidades diferentes: portugueses, franceses, belgas, alemãs, ingleses, americanos, espanhois, italianos, um russo e um sueco."(1)

Cabo Verde-carimbo não catalogado, Ribeira da Barca

Ribeira da Barca (Ilha de Santiago-Rubera da Barka):Povoação do Concelho de Santa Catarina, Freguesia de Santa Catarina, Estação Telegráfica-Postal de 2.ª classe com os serviços R, N e I. (1)



-------------------------------------------------
(1) -Designação das abreviaturas:

R- Correspondências postais ordinárias e registadas.
N- Correspondências telegráficas nacionais.
I- Correspondências telegráficas internacionais.

Bibliografia: (1) Lista Geral das estações postais e de telecomunicações do Império Colonial Português com a designação dos serviços que desempenham, edição de 1940, Ministério das Colónias, Direcção-Geral de Fomento Colonial-Repartição dos Correios , Telégrafos e electricidade.